Vereadores votam a favor do recebimento do pedido de cassação de Moacir Camerini

Votação foi realizada durante sessão ordinária desta segunda-feira, dia 21

Na sessão ordinária desta segunda-feira, dia 21, a Câmara de Bento Gonçalves votou o recebimento do pedido de cassação do vereador Moacir Camerini (PDT), investigado na CPI das Fake News. Os parlamentares votaram a favor da denúncia, com exceção de Moisés Scussel (PSDB), Agostinho Petroli (MDB), Elvio de Lima (MDB), Leocir Lerin (MDB), Marcos Barbosa (PRB) e o próprio Camerini.

Após a votação, foram sorteados os três vereadores que constituirão a comissão processante, que irá fazer uma nova investigação a partir de oitivas com testemunhas. Farão parte da comissão os parlamentares Neri Mazzochin (relator), Gustavo Sperotto (presidente) e Moises Scussel (membro).

Participaram da votação cinco vereadores suplentes, já que os parlamentares Anderson Zanella (PSD), Gilmar Pessutto (PSDB), Idasir dos Santos (MDB), Jocelito Tonietto (PDT) e Volnei Christofoli (Progressistas) foram responsáveis por protocolar a denúncia contra Camerini, ficando impedidos de votarem. Os suplentes que assumiram suas cadeiras foram Carlos Pozza (Progressistas), José Antônio Gava (PDT), Leocir Lerin (MDB), Delarci Martins de Lima “Cascão” (Progressistas), Thiago Fabris (Progressistas).

Durante a sessão, houve manifestação do público participante, que gritou mensagens em apoio a Camerini. De acordo com o vereador denunciado, o pedido de cassação se trata de perseguição política e, em sua visão, haveria assuntos mais “importantes para serem investigados e apurados” na Câmara. “O povo está cansado porque isso está atrapalhando o meu trabalho com a comunidade. Está faltando médico, remédio, vagas em creches e estão querendo gastar recursos públicos para investigar memes”, declarou Camerini.

O vereador suplente Thiago Fabris também se posicionou: “Hoje estamos aqui não para julgar nosso colega e, sim, que seja aberto um processo de julgamento. Eu gostaria que isso aqui realmente fosse apenas um mal entendido, que essa história de Fake News não fosse verdade. Porque não é o vereador que será julgado, mas sim todos que trabalham na Câmara. Porque a população pensa que todos estão aqui hoje, ocupam o cargo o público, recursos públicos, para passar o dia fazendo memes”.

Foto: Reprodução/Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *