Panorama Socioeconômico aponta decréscimo da participação da indústria e aumento da evasão escolar em Bento

Dados estão acoplados na 48ª edição da revista Panorama Socioeconômico, lançada na manhã desta segunda-feira, dia 25

A 48ª edição da Revista Panorama Socioeconômico foi apresentada na manhã desta segunda-feira, dia 25, no Centro da Indústria, Comércio e Serviços (CIC-BG). O material, produzido pela Universidade de Caxias do Sul (UCS) e publicado pelo CIC, reúne uma série de informações sobre a situação econômica e social de Bento Gonçalves. Os dados foram apresentados pela professora da UCS, Cíntia Paese Giacomello e, pela primeira vez, englobaram o primeiro semestre do ano corrente – neste caso, informações de janeiro a julho de 2019.

Entre os destaques, está o decréscimo da participação da indústria na economia do município, passando de 64% em 2014 para 59% em 2018. Entretanto, o setor apresentou crescimento real positivo de 1,8%, o que não acontecia desde 2014. Dentro do setor, também houve mudança de cenário da indústria moveleira, que tem perdido espaço para a metalomecânica. Em 2013, a indústria moveleira respondia por 18,6% dos postos de trabalho e, atualmente, concentra 13,4%. “Esse dado preocupa porque a moveleira é a indústria mais significativa do município, é a que mais emprega e mais gera faturamento”, analisa Cíntia.

No panorama das exportações, 53% das exportações registradas em 2018 foram móveis, representando um aumento de 14% em relação ao ano anterior. “Nós exportamos para 76 países, principalmente da América Latina”. Também houve crescimento de 11% no número de importações, principalmente de  máquinas, obras de metal, sementes e grãos. “Quando a gente importa máquina isso demonstra que estamos nos preparando para ampliar nosso parque fabril, a fim de produzir mais. Isso é um fator bastante positivo”, opina. Entre os principais países dos quais Bento importou estão China, Estados Unidos e Itália. De acordo com a revista, somente no primeiro semestre deste ano, o município registrou 17% de aumento nas importações e exportações.

No cenário da criação de empresas, Bento Gonçalves tem registrado aumento no número de MEIs (Microempreendedor Individual). Atualmente, o município concentra 16 mil CNPJs. Destes, 60% são pessoas jurídicas e 41% são MEIs. Os prestadores de serviço são maioria nesses cadastros.

O número de empregos formais também apresentou crescimento. Em 2018, houve a criação de 336 novos postos de trabalho e, até julho deste ano, o número saltou para 500. Na construção civil, houve aumento de 13% no número de empregos formais. A indústria, por outro lado, acusou decréscimo de 1%.

Outro indicador importante diz respeito à evasão escolar. De acordo com a revista, houve baixa de 14% no número de estudantes no Ensino Médio em 2018. “Houve um aumento na pré-escola, mas diminuição em todos os outros níveis de ensino. Não estão conseguindo manter alunos nas escolas”.

Em suas conclusões, Cíntia reforçou esse dado da educação e disse também ser preocupante o decréscimo da participação da indústria. Entretanto, destacou o crescimento do setor metalomecânico, da construção civil e elogiou os índices relativos à segurança, que apresentou redução no número de todos os crimes, como furtos, roubos, tráfico de drogas e homicídios.

Foto: Eduarda Bucco