“Eu saio desse processo tranquilo e sereno, sem ter carimbo de corrupção, de desvio de verbas ou qualquer ilegalidade”

O ex-vereador Moacir Camerini conversou com o Jornal dos Bairros na manhã desta segunda-feira, dia 23, afirmando que dará sequência ao trabalho que vem desenvolvendo junto à comunidade

Durante sessão extraordinária realizada na última sexta-feira, dia 20, os parlamentares decidiram pela cassação do então vereador Moacir Camerini, por 12 votos a três. O pedido de cassação teve embasamento no relatório da CPI das Fake News, que apontou a manutenção de perfis falsos e a disseminação de conteúdos inverídicos por parte de Camerini. Em entrevista ao Jornal dos Bairros, o vereador cassado afirma estar se sentindo “tranquilo e sereno, sem ter carimbo de corrupção, de desvio de verbas ou qualquer ilegalidade”.

Para Camerini, os conteúdos que foram anexados na CPI das Fake News e que seguiram sendo avaliados na Comissão Processante não possuíam conteúdos falsos. “Existiu memes, alguns com um pouco mais de agressividade, mas todos com o intuito de cobrar e questionar atos da prefeitura e a postura de vereadores”, afirma.

Ainda segundo o vereador, a condução dos processos investigativos contra ele na Câmara passou por uma série de irregularidades, incluindo a votação do pedido de cassação. “O próprio suplente que votou era meu suplente (José Gava). Ele era parte interessada no caso, porque se eu fosse cassado ele assumia. Ele devia ter sido impedido de votar ou deviam ter chamado o segundo suplente. O voto dele foi decisivo. Se fosse 12 a 11 não cassava. Além disso, eles deram como voto nulo o voto do relator da Comissão (Neri Mazzochin), que preferiu se abster. O próprio relator demonstrou que não concordava com a cassação”.

Agora, segue em tramitação na justiça o pedido de anulação das CPI das Fake News, solicitado pela defesa de Camerini. “Caso o julgamento seja favorável, tudo que foi feito depois da conclusão da CPI será anulado”, explica.  

Além dessa ação, Camerini também protocolou um pedido de cassação do presidente da Câmara, Rafael Pasqualotto, referente ao caso do Plano Diretor. “Agora a gente quer ver como vai ser. Se vai ter o mesmo tratamento e o mesmo andamento do vereador Camerini, que foi condenado por memes. Esse (do Pasqualotto) envolve corrupção ativa e passiva. Isso já esta com andamento no judiciário. No meu caso não teve nada no judiciário, e sim uma coisa interna da Câmara”, alega.

Camerini ainda afirma que o trabalho com a comunidade bento-gonçalvense será mantido, mesmo sem poder participar das sessões e sem receber salário. “Vou acompanhar aqui (na Câmara) sempre que puder e vou continuar visitando as pessoas nos bairros, vendo quais seus problemas. Me sensibilizei muito com as milhares de pessoas dizendo ‘Camerini, continua que estamos contigo’. Isso tem me animado muito. E minha pré-candidatura a prefeito também segue”, conclui.

Foto: Eduarda Bucco